13 de mar de 2013

dos movimentos

''Um passo, por vez, no meu ritmo desajustado... mas no meu ritmo.'' 

E nesse ritmo quase fui, hoje, na travessia da avenida. 
Minha cadência traiçoeira me levou avulsa. 
Deixei-me levar pela batida mas entrei na nota errada.  
O motorista olhou, pensou em dizer, abriu a boca, não disse! Quanta ternura lhe tenho! Imagina se o público percebe, por outro, o meu descompromisso com o compasso? 
Que mau passo! Mal eu passo. 
Desapercebida eu passei... mas, só sei ser, quando em apuros. 
São riscos demais pro pedacinho de gente que sou e aqui dentro não cabe. 
É preciso sair. Transbordar. Florescer. 
E mesmo que seja de um viaduto, da ponte em alto mar, da cama, ou ainda, da janela do ônibus como me é de costume. Preciso pular fora de mim.

[Que seja na avenida e dê sempre em samba]






8 comentários:

  1. Bonito. Realmente estamos e devemos sempre crescer. É a vida.

    ResponderExcluir
  2. A cada temos sorte de estarmos vivos, por isso é importante aproveitar os bons momentos e não se preocupar com coisas insignificantes.
    Bertone

    ResponderExcluir
  3. Você fez uma pontuação própria?
    também preciso pular fora de mim! hahha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. Sempre que posso fujo das regras. '' A pontuação é a respiração da frase e a minha frase respira assim '' diria Clarice. (:

      Excluir
  4. Adorei, flui suavemente, leitura gostosa. A cada passo corremos um risco e sobrevivemos a cada instante, é assim que podemos sentir a vida ao nosso redor. Querendo ou não, hoje, todos vivemos intensamente, com isso vem os apuros, e esperaremos que dê sempre em samba ;)

    ResponderExcluir
  5. Apressa-te! Pule! Adorei ler seu texto... Muito bonito!

    ResponderExcluir