10 de set de 2012

(Só)lidão

[...] “ Cê vai, ocê fique, você nunca volte ‘’   Guimarães Rosa.



Nadei pra longe.
Meus pensamentos nunca estiveram tão longe da praia.
E em momentos como esse julgo não pertencer a esta galáxia.
É a ilusão que me permite ser do avesso, pensar o avesso,não ser, ir.
Porque ir?  É preciso! É querer meu.
Me joguei num mar aberto, desconhecido.
Perdi minhas palavras por rotas distintas que dão à lugar nenhum.
À margem de mim, fiquei.

Salgou o olhar...
Praia à vista!
Maré baixa, não tem volta!
Ancorei solidão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário